Patrícia relembra a posição preferida com César

Ela está casada, mas o reencontro com um ex traz várias lembranças à tona. A melhor delas tem a ver com prazer, e eles repetem tudinho.


Cenário

Quarto de motel.

Após anos sem se encontrarem, os ex-namorados César e Patrícia marcam um encontro. A ideia do motel foi dela, que agora está casada e precisa de um “local discreto”. César vai ao motel com esperança de se tornar amante de Patrícia, mas ela rejeita a ideia e não se entrega a ele.

Bravo, César reclama de todas as idas e vindas que já enfrentou por ela.


César – Não entendi por que você me chamou aqui. Pra dizer que não podemos ter nada? É sempre assim com você...

Patrícia – Te chamei pra te ver, pra saber da sua vida. Sempre assim como?

César – Me dá esperanças. Reaparece na minha vida e me atrai até você. E depois vai embora, some, desaparece.

Patrícia – Você acha que é fácil pra mim?

C – Não sei. Não sei nada de você, nem nunca soube. Quem é você, afinal? O que você quer de mim? Por que terminou comigo e de tempos em tempos fica me atiçando?

P – Eu sempre te amei. Mas a vida nos separou. Tivemos outras pessoas, eu me casei...

C – A vida nos separou? Você terminou tudo e eu nunca entendi o motivo.

P – Foi melhor assim, eu precisava de um tempo.

C – Eu nunca entendi isso. Você nunca soube me explicar.

P – Eu sou muito confusa.

C – Disso, eu já sei. E sei também que morro de desejo por você.

P – Também te desejo. Mas não podemos mais fazer isso.

C – Fico lembrando das nossas transas, do seu corpo. A gente se dava muito bem nessa área.

P – A gente se dava bem mesmo. Eu também me lembro de tudo. É normal.

C – Às vezes eu fico me lembrando, fico “inspirado” e me masturbo pensando em você, sabia? Você aí, casada, levando sua vida. E eu batendo punheta pra você.

P – Para com isso...

C – Só estou sendo sincero. Você disse que é normal...

P – Eu sei, mas é que fiquei surpresa com sua sinceridade. Mas, do que... Me diz... Do que você se lembra e fica “pensando”?

C – Da nossa posição preferida. Do seu corpo nessa posição. Você sabe qual é, né?

P – Sei, mas fala você.

C – Você de quatro pra mim, empinando essa bunda linda que você tem.

P – Verdade, isso mesmo. Era bom demais. Também tenho saudades.

C – Eu te dando tapinha, segurando firme sua cintura, te puxando o cabelo...

P – Você se masturba pensando nisso?

C – Sim. Fico todo inspirado, com “ele” duro. E penso em você.

P – Que loucura...

C – Quer que eu te mostre como eu faço?

P – Não! A gente não pode.



casal apaixonado um de frente para o outro de olhos fechados


C – Eu sei que a gente não pode, mas eu não resisto. Eu te quero! Eu abro o botão e baixo o zíper da calça assim, ó. Daí abaixo minha cueca boxer assim, ó... Viu como ele está sempre duro pra você? Daí eu mexo nele assim, olha.

P – Você é louco! Você me provoca! Tenho saudades dele duro assim pra mim. Grande e tão grosso...

C – Fica com água na boca?

P – Fico. Ai, meu Deus. O que estou fazendo?

C – Vem, me chupa... Mata saudades dele. Isso!

P – Hummmm... Ai, que saudades. Que bom colocar ele todinho na boca. Hummmm... Hummmm... Tá bom assim?

C – Tá delicioso. Como você faz bem, que saudade... Aiii....

P – Melhor a gente parar. Caso contrário eu não vou mais aguentar e vou acabar fazendo uma besteira maior...

C – Não para, não! Me beija. Preciso da sua boca, quero sentir meu gosto em você.

P – Como você beija bem, seu sacana. Ai, mordisca minha orelha e meu pescoço daquele jeitinho? Isso!

C- Vem, levanta os braços, tira essa blusa. Quero seus seios, sempre tão deliciosos. Cabem na mão e na boca, empinadinhos e durinhos.

P – Não... Não faz isso... Ai, tira então meu sutiã. Só um pouco, não podemos... Aiii.... Isso, dá mordidinha neles e chicoteia com a língua... Chupa eles, isso! Ai, como você é bommm.

C – Vem cá, minha gostosa. Te quero sempre. Senta em cima de mim, roça no meu pau pra matar as saudades, vem. Isso...

P – Aimmm... Hummm... Agora chega, eu não posso. Não queroooo.... Para de desabotoar minha calça... Tá bom, só um pouco. Seu doido, deixa eu te ajudar.

P – Que calcinha linda. Sempre adorei suas calcinhas. Branquinha de rendinha... Deita aqui, deita.... Me deixa colocar essa calcinha pro ladinho e matar a saudade da sua boceta, que eu tanto amo.

P – Ela também te ama. Olha como ela fica pra você. Mas é pra olhar só um pouco, tá?

C – Que delícia! Agora você se depila quase todinha, é? Só uns pelinhos castanhos em cima e esses lábios deliciosos, esse clitóris durinho. Hummmm.... Depila assim pro marido, é? Mas eu é que vou chupar. Hummmm...

P – Aiiiii... Cafajeste! Era só pra olhar! Então me chupa! Passeia com a língua, isso! Ai, como você faz gostoso!

C – Saudades do seu gosto... Saudades de colocar dois dedos assim, ó... E falar pra você pensar em pau.

P – Aiiiii! Hummmm! Enfia os dedos e me chupa, isso.

C – Pensa em pau te comendo.

P – Ai, tô pensando. Um pau me comendo muito.

C – Agora preciso de você de quatro pra mim. Isso, vem. Empina essa bunda linda, grande, carnuda e tão firme. Não resisto!

P – Assim? Adoro ficar de quatro e me abrir pra você. Aiiiii! Adoro você me chupando por trás! Chupa meu clitóris e enfia a língua em mim que eu rebolo pra você.

C – Isso, rebola. Exibe bastante esse cuzinho lindo. Vai levar palmada!

P – Ai! Isso, dá tapinha. Lambe meu cuzinho, lambe. Aimmmmm. Hummm!

C – Tô colocando camisinha e agora vou enfiar tudo nessa bocetinha gostosa. Sempre tão molhada e apertadinha.

P – Enfia! Hummmm! Aiiiii! Que delícia, que saudades desse pau entrando inteiro em mim. Faz forte! Vai!

C – Toma, bem forte. Aiii! Tesuda! Gostosa! É só pra mim que você dá assim, né? Pro seu marido você não dá assim, né?

P – Só pra você! Você que conhece meu lado putinha! Come sua putinha! Isso!

C – Que bunda deliciosa batendo em mim, que cintura boa de segurar firme! Toma, agora chupa meus dedos enquanto eu puxo seu cabelo com a outra mão! Pensa em chupar um pau enquanto te como! Tô enfiando meu pau todo nessa xana deliciosa!

P – Ai, mete! Queria chupar pau enquanto você me come! Você me conhece, sou safadinha pra você! Sou putinha! Mete forte, que vou gozar pra você!

C – Tô acelerando, bem forte, ai, que delícia!

P – Aiiiiiiiii!!!! Ahhhhhhhhh! Ihhhhhhh! Tô gozando, tô gozando muito, seu puto, cafajeste, gostoso! Aiiii! Oummmmm...

C – Que delícia te ver gozando... Vem, me chupa e bate punheta neste pau que te quer tanto, sempre. Isso, como você chupa bem. Lambuza ele... Isso.

P – Adoro essa pica gostosa.

C – Tô gozando, meu amor. Minha tesuda! Gostooooosaaaa! Toma! Ahhhhhhh!

P – Nossa, amo o jeito que você goza. Quanta porra quente e gostosa você jorra em mim, nos meus seios... Isso, esfrega tudinho em mim.

C – Esfrego pra te marcar. Você é minha.

P - Te amo. Vem tomar banho comigo. Depois preciso ir embora.

C - Também te amo. Quando vamos nos ver de novo?

P – Não sei. Eu te amo. Mas um dia a gente tenta... Não sei quando.

César - Vai ser sempre assim entre a gente, né?

Patrícia – Vem, deixa eu te dar banho. Não pensa tanto no futuro...


Leia também: Não Comprei o Imóvel, Mas o Corretor Me Ensinou Muita Coisa


#contoseroticos #sexo #prazer #fantasiasexual #literaturaerotica

291 visualizações